Ganadaria Vale Sorraia

A Ganadaria Vale Sorraia, pasta na Herdade da Torrinha e leva na perna direita o ferro DG, ferro este que pertenceu ao avô materno  do meu pai David Ribeiro Telles.

Este Senhor chamava-se David Luizello Godinho. Sempre ouvi o meu pai falar dele com muito carinho e com uma lagrimita no canto do olho, era um equitador extraordinário e foi que ensinou o meu pai a andar a cavalo. Foi cavaleiro amador, no tempo em que os Amadores toureavam de casaca, talvez as corridas mais importantes que toureou foi a festa de José Casimiro no Campo Pequeno e a estreia do Grupo de Forcados Amadores de Santarém em Almeirim.

No princípio dos anos 50 o meu pai resolve fundar a Ganadaria Vale Sorraia e em vez de fazer um ferro, preferiu usar o ferro de seu avô David Godinho.

Esta Ganadaria não é nem pior nem melhor que as outras, mas sim diferente; predomina a pelagem Ruça e pitons bem desenvolvidos. É irregular no seu comportamento, tanto sai o toiro de bandeira fácil de tourear, como sai o louco, que dá saltos quando leva o ferro e a seguir salta a trincheira.

Na sua precedência escutam-se várias opiniões; Será que a Ganadaria Norberto Pedroso é considerada de casta portuguesa? Ou será que é de origem Saltillo?

Sabe-se que o Rei Dom Fernando VII de Espanha ofereceu ao Nosso Rei Dom Miguel uma ponta de vacas Saltillo de que estas vacas foram parar à família Infante da Câmara e posteriormente à família Norberto Pedroso da Chamusca.

No nosso entender devemos preservar esta Ganadaria, faz lembrar os toiros de antigamente e creio que é por isso que o público a admira!

No campo é nobre e de fácil maneio.

Ganadaria Vale Sorraia

10h30m 11h – Chegada ao CEART

  • Recepção e aperitivo de boas vindas enquanto o cavaleiro António Ribeiro Telles  faz um pequeno briefing onde explica a da Ganadaria Vale Sorraia;
  • Preparação das montadas para sair de visita à vacada, quem não souber montar, pode disfrutar do passeio num tractor ou numa carroça de tração animal.
  • Chegada ao local onde estão as vacas e maneio da mesma para outra cerca.
  • Regresso ao CEART a cavalo.
  • No fim da visita o cavaleiro toureia uma vaca a duo com o seu filho António.
  • Se os visitantes quiserem, podem disfrutar de um almoço nas instalações do CEART, com ementa típica da zona e ao som do folclore ribatejano

A Visita tem a duração de 3h, se pretenderem almoço terá a duração de 5h